SERGIPE - BRASIL
 

O nome Sergipe origina-se do tupi si´ri ü pe, que significa “rio dos siris”. Mais tarde foi adotado Cirizipe ou Cerigipe, que significa "ferrão de siri”, nome de um dos cinco caciques que se opuseram ao domínio português.

As origens do Estado de Sergipe datam de 1534, quando a divisão do Brasil em capitanias hereditárias integrou o território sergipano à Capitania da Baía de Todos os Santos. Desta época, até conseguir sua autonomia, a região passou por invasões de piratas, expulsão de índios, domínio de holandeses, retomada do governo português, até chegar à província independente.

A ausência de portugueses nas terras sergipanas incentivou a invasão de piratas franceses que contrabandeavam pau-brasil. A necessidade de colonização era urgente. Além de bloquear a ação de intrusos, a conquista das terras facilitaria a comunicação com a importante região de Pernambuco. A primeira tentativa de colonização aconteceu em 1575, com os jesuítas, que encontraram forte resistência dos índios. A conquista definitiva aconteceu em 1590, após violentos combates pela posse da terra, resultando no domínio dos índios por parte das tropas portuguesas comandadas por Cristóvão de Barros.

Por ordem da Coroa portuguesa Cristóvão de Barros fundou o Arraial de São Cristóvão, sede da capitania, à qual deu o nome de Sergipe Del Rey. Com o crescente povoamento de Sergipe, inicia-se a criação de gado e o plantio de cana-de-açúcar. O gado serviu de base para a economia, mas foi superado pela cana-de-açúcar, cultivada principalmente no Vale do Cotinguiba. O cultivo da cana trouxe os primeiros escravos da África para trabalhar na lavoura.

A presença dos holandeses no Brasil, em 1637, deixou marcas em Sergipe. Ao contrário da invasão a Pernambuco, que resultou em conseqüências positivas, em Sergipe foi só destruição. Em São Cristóvão, ocupam e incendeiam a cidade, destruindo lavouras, roubando gado, desestruturando toda a vida social e econômica da área. Somente em 1645 as terras são retomadas pelos portugueses e é reiniciado o processo de povoamento e recuperação da economia.

Em 1696 foi criada a comarca de Sergipe, separada da Capitania da Bahia. Em seguida, surgem as vilas de Itabaiana, Lagarto, Santa Luzia, Vila Nova do São Francisco e Santo Amaro das Brotas. A autonomia durou pouco, e em 1763 Sergipe foi novamente anexado à Capitania da Bahia. Mas a consciência da capacidade econômica de Sergipe, que era responsável por um terço da produção açucareira baiana, e as constantes intervenções na vida sergipana provocaram vários protestos contra a dependência. Foi então que, em 8 de julho de 1820, Sergipe volta a ser autônomo, elevado por Dom João VI à categoria de Província do Império do Brasil.

A prosperidade com a produção e exportação de açúcar leva à transferência, em 1855, da capital São Cristóvão para o povoado de Santo Antônio de Aracaju. A nova capital é uma das primeiras cidades planejadas do Brasil, com seu traçado geométrico de ruas direcionadas às margens do rio Sergipe.

O império declinava e forma-se na cidade de Laranjeiras o Partido Republicano, que em 1889 consegue eleger seus primeiros representantes para o Congresso Federal. Em 1892 é promulgada a primeira Constituição do Estado de Sergipe.

DESTAQUES

Sergipe e o Cangaço

Sergipe e a 2ª Guerra Mundial

Sergipe e o Petróleo


Referências Bibliográficas

Para conhecer melhor a história de Sergipe:
BARRETO, Luiz Antônio (Org.). Sergipe, 100 anos de história constitucional. Aracaju: Assembléia Legislativa do Estado de Sergipe, 1992.
BEZERRA, Felte. Etnias sergipanas. Coleção Estudos Sergipanos VI. Aracaju: Governo do Estado de Sergipe, 1984.
CARVALHO NETO, Paulo de. Folclore sergipano. Aracaju: Sociedade Editorial de Sergipe, 1994.
DANTAS, Orlando Vieira. Vida Patriarcal de Sergipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
FARIA, Rosa. Sergipe passo a passo pela sua História. Aracaju: s/ed., 1995.
FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. 2ª edição. Petrópolis: Vozes e Governo do Estado de Sergipe, 1977.
DINIZ, Diana Maria do Faro Leal (Coord.). Textos para a História de Sergipe. Aracaju: Universidade Federal de Sergipe e Banese, 1991.
WYNNE, J. Pires. História de Sergipe Vol. II (1930 – 1972). Rio de Janeiro: Ed. Pongetti, 1973.


 

Localização
Localizado na porção leste da região Nordeste do Brasil.

Limites
Norte : Estado de Alagoas
Leste : Oceano Atlântico
Sul e Oeste : Estado da Bahia.

Relevo
Seu relevo caracteriza-se pela predominância de terrenos baixos e várzeas nas proximidades do litoral, onde há uma faixa úmida voltada para o oceano; planícies na parte norte do Estado; e planalto semi-árido em sua região noroeste.

Clima
O clima no Estado é tropical, com chuvas mais freqüentes na costa e longas estiagens no interior, especialmente na região semi-árida. As temperaturas médias anuais ficam em torno de 23 e 24º C.

Vegetação
A vegetação predominante distingue a paisagem típica litorânea, de coqueiros e vegetação rasteira, da caatinga encontrada no interior. As extensas florestas anteriormente existentes, desapareceram substituídas pelo cultivo agrícola ou pela exportação das madeiras nobres, ainda nos tempos da colônia.

Hidrografia
O principal rio que banha o Estado de Sergipe é o São Francisco, um dos mais importantes do Brasil. Sua bacia hidrográfica inclui também os rios Vaza Barris, Sergipe, Japaratuba, Piauí e Real.

Transportes
O transporte rodoviário é o mais utilizado no Estado, que possui 9.480 km de estradas de rodagem, sendo cerca de 23 % pavimentadas. A malha ferroviária tem extensão de 286 km.

Gentílico
Sergipano.

Hora local
A mesma em relação a Brasília.
 

 

 

História Acomodações Localização Reservas Links Úteis